Fonte; Tribuna do Norte

Usinas eólicas em São Bento entram em operação comercial

Aneel aprovou operação comercial de 46,2 MW

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou a operação comercial de duas centrais de geração eólica denominadas São Bento do Norte I e II, segundo despacho publicado nesta segunda-feira, 22 de outubro, no Diário Oficial da União. Cada EOL possui onze aerogeradores de 2,1 MW, somando 23,1 MW de potência em cada usina, ambas localizadas no município de São Bento do Norte, no Rio Grande do Norte.

Fonte: CERNE Press com informações da Aneel

Foto: Tribuna do Norte

UFRN está entre finalistas de prêmio de inovação da ANP

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) está entre as instituições finalistas de 2018 do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica com a pesquisa “Produção de biodiesel avançado proveniente de microalgas nativas com captura intensiva de gás carbônico”.

Feito em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a pesquisa está na lista com os projetos classificados, divulgada neste mês de outubro, concorrendo na Categoria III, a qual engloba projetos desenvolvidos exclusivamente por instituição credenciada, em colaboração com a Petrobras. Na mesma categoria, concorrem a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/  Petrobras e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/ Petrobras.

A premiação é promovida pela ANP e tem como objetivo o reconhecimento dos resultados dos melhores projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação na área petroquímica do Brasil. Segundo o professor Graco Aurélio Viana, do Centro de Biociências (CB) e coordenador do projeto na Universidade Federal do RN, a divulgação dos vencedores acontece em novembro, no Palácio do Itamaraty, em Brasília.

Prêmio ANP
A edição 2018 do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica contempla cinco categorias, classificadas por temas e por tipo de executor, com três finalistas em cada uma. Além dos vencedores em cada categoria, haverá também a premiação da Personalidade Inovação do Ano, cujo objetivo é reconhecer e premiar a pessoa física que tenha gerado contribuição e realizações relevantes para o desenvolvimento e inovação tecnológica no setor, e uma menção honrosa à pessoa física que tenha realizado contribuição operacional para o setor.

O objetivo do Prêmio ANP é reconhecer e premiar os resultados associados a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) que representem avanço tecnológico para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis, desenvolvidos no Brasil por instituições credenciadas, empresas brasileiras e empresas petrolíferas, com recursos da Cláusula de PD&I, presente nos contratos de exploração e produção.

Fonte: Tribuna do Norte

Foto: Albari Rosa

Aneel autoriza testes em eólica no município de São Bento

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) confirmou a operação em teste de sete aerogeradores da central de geração eólica Maria Helena, segundo despacho publicado na terça-feira, 9 de outubro, no Diário Oficial da União.

As unidades liberadas da usina somam 14,7 MW  de capacidade instalada no município de São Bento do Norte, no Rio Grande do Norte.

Fonte: Canal Energia

215615

BNDES libera R$ 619 milhões para parques eólicos no Rio Grande do Norte

A Diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 619,4 milhões para a implantação de treze parques eólicos, nos municípios de Pedra Grande e São Bento do Norte, no litoral Norte do Rio Grande do Norte, além de 32 quilômetros de linhas de transmissão. No total, serão instalados 149 aerogeradores.

Os parques terão capacidade de geração instalada de 312,9 MW, energia suficiente para abastecer cerca de 570 mil residências. O projeto consiste na implantação de duas unidades: o Complexo Eólico Cutia e o Complexo Eólico Bento Miguel. Ambos contarão com instalações nos dois municípios.

O Complexo de Cutia contará com sete parques eólicos, totalizando 86 aerogeradores, com capacidade instalada de 180,6 MW. Os parques do complexo deverão entrar em operação comercial plena até janeiro de 2019.

Já o Complexo de Bento Miguel, com seis parques eólicos, contará com 63 aerogeradores, com capacidade instalada de 132,3 MW. Seus parques deverão estar em fase operacional a partir de janeiro de 2019.

Os dois complexos compartilharão uma subestação coletora e uma linha de transmissão com 32 km de extensão, conectada à subestação Touros, de propriedade da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf).

Investimento
Os recursos correspondem a 30% do investimento total, que é superior a R$ 2 bilhões, e serão liberados para a Cutia Empreendimentos Eólicos S.A., holding proprietária de treze Sociedades de Propósitos Específicos (SPEs). Cada SPE controla um dos parques eólicos. A fim de diversificar o funding para o projeto e fomentar o mercado de capitais, está prevista uma emissão pública de debêntures de infraestrutura.

O projeto contribui para a diversificação da matriz energética brasileira com uma fonte de recursos renovável, já que favorece a redução das emissões de gases do efeito estufa por MWh.

Os parques serão instalados em municípios de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (Pedra Grande com 0,559 e São Bento do Norte com 0,555) e contribuirão para o desenvolvimento local por conta da arrecadação de ISS pelas prefeituras e da geração de renda para proprietários de pequenos lotes que serão arrendados. Estima-se que durante as obras sejam criados 710 empregos diretos.

A Cutia Empreendimentos Eólicos S.A., proprietária dos parques, é uma subsidiária integral da Copel GeT, que, por sua vez, pertence à Companhia Paranaense de Energia (Copel), empresa de capital aberto que integra do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.
Quem
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O que
Liberação de R$ 619,4 milhões para obras de 13 parques eolícos no Rio Grande do Norte, gerando 710 empregos diretos.

Fonte: Tribuna do Norte
20141122_-_visitacao_site_arb-40_-_cu00f3pia

Vestas fecha novo contrato para fornecer 101 MW em turbinas no Brasil

Parque Serra do Mel, no Rio Grande do Norte será o primeiro equipado com as novas máquinas de 4.2 MW de potência
A fabricante de turbinas eólicas Vestas fechou um contrato para fornecer 24 máquinas para o parque eólico Serra do Mel, no Estado do Rio Grande do Norte. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 27 de setembro, em Madri, na Espanha.A encomenda foi feita pela Echoenergia, companhia controlada pelo fundo de private equity Actis. O parque eólico será o primeiro equipado com as novas turbinas de 4.2 MW de potência da Vestas, totalizando 101 MW de capacidade instalada. Os equipamentos serão produzidos localmente e financiados pelo BNDES de acordo com as regras do Finame II.

“Com este novo contrato, a Vestas traz sua mais nova turbina para o Brasil, quebrando a barreira de 4 MW e acreditando que a sua chegada elevará a influência e a competitividade da Vestas a outro nível. Estamos muito orgulhosos da nossa aliança com a Echoenergia, uma empresa de energia em rápido crescimento que conta com uma excelente equipe ”, disse em nota Rogério Zampronha, diretor-presidente da Vestas para o Brasil e América Latina.

“A parceria com a Vestas reflete nossa eficiência operacional e torna evidente nosso objetivo para a mercado: queremos ser a maior e mais eficiente empresa de energia eólica do país. Nós teremos as maiores e mais potentes turbinas eólicas com V150-4,2 MW ”, afirma em nota Edgard Corrochano, presidente da Echoenergia

Com pás de 73,7 metros de comprimento e a torre de aço mais alta do setor, a V150-4,2 MW se mostra adequada para as condições de vento mais predominantes do país. As turbinas estão planejadas para serem entregues no primeiro quadrimestre de 2020, com o comissionamento previsto para o final do segundo quadrimestre do mesmo ano.

A produção local das novas turbinas representa um novo investimento da Vestas no país, mostrando que a companhia tem compromisso de longo prazo com o mercado brasileiro. Com o novo investimento, a Vestas segue apoiando o governo brasileiro nas iniciativas de promover a expansão das energias renováveis e tornar a matriz elétrica mais sustentável no país.

Fonte: