Posts

208724

Entidades lançam programa RN Solar

O Sebrae do Rio Grande do Norte em parceria com a Comissão Temática de Energias Renováveis – COERE, o Sistema Fiern, Banco do Nordeste, a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e o Centro de Tecnologia do Gás e Energias Renováveis (CTGAS), lançou nesta quinta-feira, 3, o Programa RN Solar.

O programa tem com um dos seus objetivos promover o crescimento e a capacidade instalada para geração distribuída de energia solar, bem como fortalecer a cadeia produtiva do setor de energia solar fotovoltaica e estimular a criação e o desenvolvimento de empresas inovadoras, a partir de fontes renováveis. Os beneficiários diretos são os consumidores, as empresas prestadoras de serviços de montagem, instalação e engenharia e as empresas que desenvolvem equipamentos e componentes para o setor.

Para o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-RN, José Álvares Vieira, a energia fotovoltaica é um tema de extrema relevância para o estado, que poderá perfeitamente tornar-se uma referência na geração de energias renováveis para o setor de agronegócios, por exemplo. “O Sebrae não poderia ficar de fora de um projeto dessa magnitude. Creio que ainda precisamos avançar muito na questão de legislação. Temos um potencial extraordinário, comparado com outros estados, porque nós, por natureza, temos o sol durante o ano todo”, afirmou.

Entusiasta do sistema de energias renováveis, o diretor superintendente do Sebrae/RN, José Ferreira de Melo Neto, disse que a ideia é que as pequenas empresas busquem na instituição informações estruturadas sobre as empresas prestadoras de serviços além da jornada necessária à instalação de energia solar  iniciando pelo estudo de viabilidade de acordo com o perfil da empresa, seguido de um projeto técnico, financiamento, liberação com base na viabilidade de integração à rede de energia elétrica, contratação, instalação, comissionamento e economia. Tudo isso com o suporte de instituições como o próprio Sebrae, o CTGÁS Energias Renováveis, a Cosern e o Banco do Nordeste, atualmente o principal agente financeiro.

“Estamos lançando um programa com todos esses parceiros para deixarmos mais seguro prioritariamente as pequenas empresas do Rio Grande do Norte que queiram mudar sua matriz energética, racionalizar e inovar. Sem falar na grande importância que tem a energia limpa para o planeta, o estado, o país, para tudo. Vamos trabalhar com segmentos e também com as regiões. Pretendemos repercutir esse modelo com as diversas regiões onde temos atuações. Região Oeste, Mossoró, Seridó, Caicó, onde temos escritórios”, disse. Goiás, Minas Gerais, Tocantins e Ceará são alguns Estados que já definiram programa de incentivo específico para este setor.

O presidente da Comissão Temática de Energias Renováveis – COERE, Sérgio Azevedo, acredita que é muito importante capacitar não só os profissionais, como também as empresas no sentido de fazer com que muitas indústrias queiram se instalar no Rio Grande do Norte e gerem emprego e renda não só na geração propriamente dita, como também na cadeia de fornecimento de produtos e serviços. “Nesse momento em que vivemos, em que a livre geração de energia solar desponta como uma grande vedete, a fotovoltaica é o objeto de desejo de todos por ser um produto economicamente muito viável e uma oportunidade de negócios para os que querem empreender”, concluiu Azevedo.

Fonte: Tribuna do Norte

br-ener-1-e1521118042895

Brasil começa a aproveitar seu potencial de energia solar

A geração de energia solar cresce e traz economia na conta de luz de residências e empresas — mas o potencial no país está longe de ser explorado

Em Janaúba, no Norte de Minas Gerais, a agropecuária é a principal atividade econômica da cidade de 70 000 habitantes. Ali a fruticultura, a soja e a pecuária vêm sendo castigadas pela maior seca da história na região. Localizada no semiárido mineiro e sob um sol inclemente durante boa parte do ano, com temperatura média de 33 graus, Janaúba faz parte do chamado Polígono das Secas. Mas o sol forte que bate ali, antes visto apenas como um infortúnio que só agrava a falta de chuva no lugar, virou uma oportunidade aos olhos de investidores. Agora, parte das pastagens improdutivas da região é fonte de renda para os pecuaristas, que arrendam suas terras para empresas que querem gerar energia solar.

Hoje, as companhias que estão investindo em fazendas de painéis fotovoltaicos miram a redução dos gastos com a conta de luz. É o caso da combalida gigante das telecomunicações Oi, que está construindo duas fazendas solares, uma em Janaúba e outra na também mineira Capitão Enéas, em paralelo às tentativas de colocar de pé seu plano de reestruturação. Cada uma das fazendas tem capacidade de geração de 5 megawatts, energia suficiente para abastecer 10.000 residências por mês.

energia-solar

A energia produzida em parceria com a GD Solar, empresa especializada em projetos e na construção de empreendimentos desse tipo, será injetada na rede elétrica de Minas Gerais e vai gerar créditos para ser abatidos da conta de luz de 3.000 unidades da Oi no estado, entre torres de telecomunicações e prédios corporativos. Os investimentos nas duas fazendas solares consumiram 30 milhões de reais. E o objetivo é construir outras 15 usinas do gênero no país até 2021. Nessa toada, a Oi espera economizar 30% dos custos habituais com energia. Hoje, os gastos por ano alcançam cerca de 750 milhões de reais. “Mesmo que o momento seja crítico para a companhia, é preciso olhar para o futuro”, diz Marco Vilela, diretor de patrimônio e logística da Oi.

A empreitada da Oi é parte da recente onda de investimentos em geração fotovoltaica no Brasil. Entre as operadoras de telefonia, a Claro foi uma das pioneiras. Em 2016, pressionada por uma alta de quase 60% nos gastos com eletricidade num período de 12 meses, a companhia decidiu estruturar um plano de autogeração com base em fonte solar, capaz de abater 30% dos custos de energia de 80% de suas operações — são cerca de 40.000 unidades, entre torres, lojas e edifícios corporativos.

Embora não seja dona de um painel fotovoltaico sequer, a Claro se beneficia da energia gerada nos 45 hectares equipados com painéis em Várzea das Palmas e em Buritizeiro, também cidades mineiras. “Há cada vez mais investidores dispostos a bancar esse tipo de projeto. E nós, como grandes consumidores, nos interessamos em comprar essa energia”, diz Roberto Catalão, vice-presidente financeiro da Claro.

A despeito do movimento das operadoras de telecomunicações, foi o consumidor residencial quem puxou para cima o número de sistemas fotovoltaicos em operação no país — a chamada “geração distribuída”. Em 2012, apenas 13 locais geravam eletricidade dessa fonte no Brasil (antes, os raios solares eram utilizados apenas para sistemas de aquecimento de água). Atualmente, são mais de 23.000 unidades, sendo 80% em residências.

Alguns fatores ajudam a explicar essa curva exponencial de adoção. Há seis anos, uma resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneelautorizou a produção própria de energia elétrica de fontes renováveis e possibilitou o repasse do excedente à rede pública de distribuição de energia em troca de desconto na conta de luz. Em 2015, outras facilidades foram incorporadas à norma. Os créditos gerados pelos consumidores passaram a valer durante cinco anos — e não apenas por três, como determinava a primeira regra. Os modelos também se diversificaram. Agora são permitidos sistemas de consumo coletivo, como condomínios e shoppings, e de consumo remoto — quando a energia é produzida num local e consumida em outro dentro da área de concessão de uma distribuidora.

Essa mudança foi o pontapé inicial para a consolidação do modelo de negócios da Órigo, empresa que se dedica a projetar e construir fazendas solares e a alugar cotas dos painéis a pequenas e médias empresas. Com uma fazenda de 1 megawatt em Minas Gerais, num espaço de 10 hectares, a Órigo consegue gerar energia equivalente ao consumo de 70 clientes — restaurantes, bares e açougues. Criada em 2010, a empresa tem entre seus investidores o fundo americano de private equity TPG e o brasileiro Move, que tem a participação dos fundadores da fabricante de cosméticos Natura. “Vamos fazer dez fazendas neste ano, e já temos muita coisa vendida de antemão”, diz Surya Mendonça, presidente da Órigo.

O maior impulso para esse mercado, porém, veio com o aumento das tarifas de energia. Desde 2012, o reajuste médio do preço da energia no país foi de 44%, acima da inflação de 36% registrada no período. Enquanto isso, o avanço da tecnologia de produção dos equipamentos fez o preço cair 80% na última década em todo o mundo e tornou a conta ainda mais vantajosa. Hoje, a instalação de quatro painéis solares com capacidade total de 1,25 megawatt (o suficiente para suprir as necessidades de uma família de quatro pessoas) custa 15.000 reais. Em 2015, era de 30.000 reais.

Sem levar em conta as usinas em fase de projeto e construção, a geração solar atingiu a marca de 1 gigawatt de capacidade instalada no país no final do ano passado. O montante significa uma fatia inferior a 1% da matriz elétrica brasileira, amplamente apoiada na geração hidrelétrica. Mas a participação pode chegar a 5%, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Para isso, o volume de recursos nesse mercado deverá chegar a 9 bilhões de reais neste ano e se manter nesse nível. A estimativa é que os investimentos acumulados no setor cheguem a 125 bilhões de reais até 2030.

Isenção de imposto

Hoje, o estado que lidera a corrida solar no Brasil é Minas Gerais, com 5 000 sistemas instalados. Não é à toa. O estado foi o primeiro a isentar a cobrança de 30% de imposto sobre circulação de mercadorias e serviços que incidia sobre a troca de energia entre consumidores e concessionária. Por lá, o tempo de retorno do investimento do consumidor num sistema fotovoltaico é um dos menores do país: entre quatro e cinco anos. Em São Paulo, o investimento se paga em seis anos. Hoje, 23 estados aderiram à medida, com exceção de Amazonas, Paraná e Santa Catarina.

Diferentemente do que se viu com a exploração da fonte eólica nos últimos anos, concentrada no Nordeste, a região em que são registrados os maiores níveis de irradiação solar do país tem baixo índice de aproveitamento dessa fonte. A razão é que não há vantagem financeira. “A tarifa média de energia nos estados do Nordeste é menor, e isso se deve, em parte, a subsídios do governo no preço para os consumidores mais pobres”, diz Juliano Assunção, professor na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Com tarifas artificialmente mais baixas, as projeções de rentabilidade do investimento em solar na região são menores.

A inserção de um número cada vez maior de unidades autoprodutoras de energia solar no sistema brasileiro pode mexer com o modelo tradicional de atuação das concessionárias. A AES Eletropaulo, responsável pela região metropolitana de São Paulo, recebeu 600 pedidos de geração solar distribuída apenas em 2017 — o dobro do registrado no ano anterior. Desses, 350 foram conectados à rede da concessionária, que banca a própria conexão. O volume ainda é irrisório se comparado com a base de 7,4 milhões de clientes da Eletropaulo, mas o tema é recorrente em suas discussões de planejamento estratégico. “Vamos precisar de um nível de automação de gestão da rede ainda maior”, afirma Artur Tavares, vice- presidente de operações da AES Eletropaulo.

Ele se refere ao conceito de smart grid (“rede inteligente”), que, por meio de sensores, medidores sofisticados e do uso de big data, facilita o controle remoto das redes em tempo real e se antecipa a problemas como queda de tensão, além de oferecer informações diá-rias sobre as curvas de consumo. Hoje, os dados coletados são mensais. As concessionárias alegam que terão de investir mais nas redes para acomodar os autogeradores que estão chegando — um pessoal que, ironicamente, apostou na energia solar para pagar menos conta de luz.

Antevendo uma possível queda na receita, as distribuidoras querem discutir a configuração das tarifas. Atualmente, não há separação entre a energia consumida e o custo da infraestrutura de distribuição na conta de consumidores comuns. O pleito do setor é que a chamada “conta do fio” seja cobrada de quem tem o próprio sistema gerador e acaba usando a rede da concessionária.

Ainda não há uma proposta sobre a divisão da tarifa, mas o tema foi posto em consulta pública pelo Ministério de Minas e Energia. A regulação do setor deverá ser revista em 2020. “A atualização do marco regulatório tem de vir como oportunidade, não como desincentivo ao poder de escolha do consumidor de gerar a própria energia”, afirma Rodrigo Sauaia, diretor da Absolar. A projeção da Aneel é que, até 2024, cerca de 800.000 unidades de microgeração estejam em funcionamento no Brasil. Isso poderá acarretar uma perda de 1,1% de mercado para as distribuidoras, segundo projeções da agência.

Disseminação

O mercado já se prepara para uma popularização. Há no país cerca de 3 000 empresas: são comercializadoras, projetistas e instaladoras de sistemas fotovoltaicos, atuando em modelos diversos. O aumento da demanda não foi suficiente para dar forma a uma indústria nacional de painéis fotovoltaicos. São poucas as fabricantes no país, já que há isenção de impostos para a importação de um painel completo — mas não para peças, o que gera uma desvantagem tributária de 30%.

Uma delas é a BYD, chinesa com 40 fábricas no mundo, entre painéis solares, veículos elétricos e baterias, que faturou 17 bilhões de dólares em 2017. Em fevereiro do ano passado, a BYD inaugurou uma de suas maiores fábricas de painéis em Campinas e começou a vender equipamentos para grandes projetos, com mais de 80 megawatts de capacidade. Mas o planejamento mudou no meio do caminho. Nos próximos meses, a BYD pretende entrar no mercado de microgeração, que deverá compor até 50% do negócio, bem mais do que os 10% previstos anteriormente. O grupo CPFL também é um dos que -querem lucrar com a energia solar.

Agora parte da estatal chinesa de energia State Grid, a CPFL criou em 2017 uma empresa independente, focada na alta da demanda por geração solar distribuída: a Envo, voltada para o mercado de pequenos estabelecimentos comerciais. Antes disso, em 2016, a CPFL já havia dado início à instalação de painéis solares para 200 consumidores de Campinas, no interior de São Paulo, a fim de avaliar o impacto da microgeração em redes elétricas de baixa tensão, aproveitando um fundo de incentivo da Aneel à pesquisa em eficiência. “Essa modalidade avançou em todo o mundo e vai chegar aqui também, ainda que com atraso”, diz Karin Luchesi, vice-presidente de operações de mercado da CPFL.

A expansão brasileira ainda é tímida se comparada à corrida solar mundo afora. Estima-se que o Brasil esteja 15 anos atrasado na adoção dessa fonte. A China, que por muito tempo foi marcada pela produção de energia suja, com a queima do carvão mineral, superou a pioneira Alemanha na capacidade instalada de geração: 130 gigawatts, o equivalente a 80% de toda a matriz elétrica brasileira. A China também se tornou a maior fabricante de painéis solares do mundo.Nos Estados Unidos, a fabricante de carros elétricos Tesla, do bilionário Elon Musk, ultrapassou a fronteira dos sistemas fotovoltaicos comuns para criar uma telha solar, que gera energia e substitui a telha tradicional. Musk quer atrelar ao sistema a venda de pequenas baterias capazes de armazenar energia para ser consumida quando o sol não inside — hoje, o grande gargalo da energia solar. O mercado menos regulado também é um incentivo à adoção da energia do sol. Em vários estados americanos, a exemplo da Califórnia, é possível vender o excedente produzido pelos painéis aos vizinhos — o que é impossível no mercado brasileiro, onde o livre comércio de energia só é autorizado para grandes consumidores.“Precisamos elevar o nível de conhecimento das pessoas que, apesar de interessadas, ainda acham que gerar energia solar é complicado e arriscado”, diz Ítalo Freitas, presidente da AES Tietê, braço de geração do grupo AES no Brasil, e que hoje já atende empresas como a rede Drogarias Araújo e o Hospital Albert Einstein com energia solar. A combinação entre regulamentação inteligente e custos mais baixos pode finalmente tornar viável em larga escala uma das fontes mais limpas de energia. Por ora, no Brasil, o sol é forte, mas ainda não é para todos.Fonte: Exame | Renata Vieira
solares

Total busca parceiros para participa do leilão brasileiro de 2018

A Total Energia SA está buscando potenciais parceiros para participar de um leilão público pelo governo federal brasileiro, que será realizado em abril deste ano, que contratará novas usinas de energia, que deverá entrar em operação em 2022, disse o diretor de estruturação financeira Andre Fonseca.

O chamado leilão “A-4” oferecerá aos PPA de 20 anos dos vencedores com as empresas locais de distribuição de energia (discoms).

O desenvolvedor brasileiro de energia renovável tem quase 1,33GW em projetos para parques de energia solar que estarão prontos para oferecer no concurso acima mencionado A-4. O maior, com 1.3GW, está em Assu, no norte do estado do Rio Grande do Norte. O complexo PV da Serra do Mel é dividido em 20 usinas de energia menores, cada uma de 65MW.

A Total Energia também possui um projeto fotovoltaico menor de 22,8MW a ser construído em Coremas, no estado do norte da Paraíba, que está completamente pronto para oferecer.

Já construiu um complexo eólico de 136MW no Rio Grande do Norte, que foi vendido em 2014 para a empresa estatal brasileira Companhia Paranaense de Energia (COPEL) . A empresa também possui uma planta fotovoltaica de 160MW em construção em parceria com o Scatec Solar ASA da Noruega e o Statoil ASA .

Fonte:

 

Foto: Adriano Abreu

‘O RN não está ficando para trás’, diz Jean-Paul Prates

Reconhecido no mundo por ser “um país tropical e abençoado por Deus” na abundância de belezas naturais e sol o ano inteiro, o Brasil está chamando mais atenção dos investidores internacionais com negócios ligados à geração de energia solar. Nos próximos anos, ao lado da que é gerada pela força dos ventos, essa deverá ser a modalidade com maior expansão no Rio Grande do Norte.

O sol a pino que castiga os sertanejos e seca, ainda mais, os reservatórios de água, poderá se tornar um aliado no desenvolvimento do Seridó e do Alto Oeste potiguar, em decorrência da elevada incidência de raios solares que poderão alimentar as fontes geradoras de energia. Não basta, porém, a força do sol para que o estado se torne destaque, assim como o é na eólica, na geração de energia solar.

De acordo com Jean Paul Prates, é preciso se estruturar para atrair mais investimentos. Acompanhe a análise na entrevista a seguir.

Qual o atual panorama da geração de energia solar no Rio Grande do Norte? Qual a potência instalada e o quantitativo de energia gerado nessa fonte atualmente?
Atualmente, o RN tem seis usinas fotovoltaicas em operação comercial, somando 117,10 MW em potência instalada. A matriz de oferta de energia do estado tem 84,76% de usinas eólicas, 2,79%  de fotovoltaicas e 12,44% de termelétricas. Há ainda duas usinas fotovoltaicas já contratadas no Rio Grande do Norte em construção, que deverão adicionar mais 66 MW até o fim deste ano. O estado tem atraído o interesse de investidores para geração de grande porte e deverá apresentar um número crescente de projetos fotovoltaicos nos próximos leilões federais. Em relação à geração distribuída, que é a mini/micro geração no consumidor final, o crescimento tem ocorrido também sendo de se destacar as 21 usinas próprias do IFRN instaladas em 17 municípios.

Em quais estados estão os maiores potenciais para exploração dessa fonte energética e quais são os mais evoluídos nesse processo exploratório? 
O mapa de potencial solar do Brasil aponta regiões como o Seridó (potiguar e paraibano) e a nossa “tromba do elefante” como áreas de insulação máxima. Mas há áreas de grande potencial em todo o Brasil. O recurso solar é bem mais difuso e capilarizado do que o vento, no Brasil. Estados como o Piauí e a Bahia têm trabalhado o desenvolvimento de seus interiores para empreendimentos solares. Mas o RN não está ficando para trás. A nossa liderança em eólica ajuda muito no processo de conhecimento do nosso território pelos empreendedores, e há também a possibilidade de viabilizar projetos híbridos (eólico-solares) de grande porte no curto prazo.

A burocracia brasileira impede que o setor se expanda mais rapidamente? Por quê e como e possível reverter esse quadro?
Não creio. O histórico de consolidação destes setores no Brasil foi até bastante rápido, e a curva de crescimento será bem acentuada nos próximos anos. Praticamente todos os estados brasileiros aderiram ao Convênio que isenta o ICMS da geração distribuída, onde 99% dos sistemas são solar-fotovoltaicos. Há linhas de crédito bem favorecidas para esta atividade também, já desenvolvidas – inclusive por bancos públicos como o Banco do Nordeste e o Banco do Brasil. A burocracia, no mais, é a usual de toda atividade econômica – nem maior nem menor. Já são mais de 21 mil sistemas de micro/mini geração instalados no Brasil, totalizando mais de 170 MW. Ainda são números tímidos – considerando-se o potencial imenso que o Brasil tem nesta área, mas o crescimento tem sido rápido e consistente.

A entrada do Brasil na IRENA poderá contribuir para essa transição de qual maneira e a partir de quando?
Considero a participação na IRENA um passo natural para o Brasil. Afinal, há dez anos, iniciamos este processo inédito de leilões reversos que vem ensinando ao mundo como incentivar a geração eólica e solar sem subsídios diretos. Além disso, dentre as grandes economias do mundo, o Brasil é a matriz energética mais renovável. Portanto, o Brasil tem muito a contribuir, e também tem muito a aprender, imediatamente, com os importantes projetos globais e estudos da Agência Internacional de Energia Renovável.

Em relação à formação de mão de obra para atuação nesse setor, o Brasil é bem atendido ou precisa importá-la de outros países, a exemplo do que ocorreu por muitos anos com a energia eólica?
Não creio que tenhamos que importar mão de obra, absolutamente. Apesar do crescimento acelerado nesta área, o Brasil tem plenas condições de formar pessoas para trabalhar com esta tecnologia. Entidades como o SENAI e os Institutos Federais, em todo o Brasil, assim como entidades setoriais, escolas especializadas e universidades, públicas e privadas, já oferecem uma boa quantidade de cursos teóricos e práticos a respeito. O que temos que nos preocupar é com a qualidade e a credibilidade dessas ofertas. Eu sempre recomendo que os interessados tenham cuidado ao escolher. Há muita picaretagem neste setor, devido ao rápido crescimento. Entidade sérias devem ter a prioridade na hora da escolha. Do contrário, a formação fica deficiente e o valor do certificado é posto em dúvida pelo empregador.

O Rio Grande do Norte é um dos estados brasileiros com grande potencial na geração de energia fotovoltaica. O CERNE, em parceria com a ABSOLAR, tem algum estudo específico em relação ao estado? O que ele aponta?
Sem dúvida, do ponto de vista do recurso solar em si, o RN é um dos estados brasileiros com maior potencial. No entanto, diferentemente do que acontece com o nosso vento, que é bem diferenciado de outras regiões do Brasil e do mundo, a insulação é um fenômeno bem mais comum no território brasileiro. Isso faz com que tenhamos que nos preparar ainda melhor para oferecer boas condições para o investimento e para propiciar canais para gerar trabalho e renda na economia local. Assim como ocorre com a Abeeólica, o CERNE trabalha em constante cooperação com a ABSOLAR em várias frentes de debate e concepção de diretrizes. Atualmente, estamos trabalhando na finalização de três programas regionais: um para a região do Seridó (“Seridó Solar”), outro para o Oeste Potiguar (“Oeste Solar”) e a progressão do Projeto Rota dos Ventos, na sua frente relacionada com energia solar, para o eixo de influência da BR-406, que abrange o Mato Grande e o Litoral Norte. Estes planos regionais abrangem ações governamentais locais e também a mobilização de lideranças sociais e econômicas, visando a estabelecer condições para o investimento externo e local na cadeia industrial do setor.

Existe a possibilidade de liderarmos a produção na matriz solar assim como o fazemos na eólica. Do que isso depende?
Não. Temos que ser realistas. O nosso vento é especial e só tem comparativo no nosso vizinho Ceará, no interior da Bahia e em regiões muito específicas do Piauí, da Paraíba e de Pernambuco. Somos muito especiais em matéria de vento. Tanto que a Bloomberg [um dos principais serviços de informação econômico-financeira do mundo] há algumas semanas deu uma matéria de capa sobre o RN com uma manchete que dizia: “a melhor brisa do mundo”, referindo-se à geração eólica daqui. Em relação à energia solar, temos condições de ter um aproveitamento per capita (por habitante) muito significativo, no médio prazo. Podemos desenvolver muito o nosso interior, não só em atividades econômicas como em conforto para a vida em geral, com a geração distribuída baseada em sistemas fotovoltaicos. Mas liderar o quadro nacional de geração solar de grande porte é um desafio quase impossível diante da abundância de territórios dos nossos estados vizinhos, com mesmo potencial. Além disso, temos o fato de dependermos do escoamento para outras regiões, pois o nosso consumo volumetricamente já está plenamente atendido. Precisamos de linhas de transmissão. Em regiões como Minas Gerais e o interior de São Paulo, por exemplo, há potencial solar e eles estão dentro do mercado consumidor, praticamente. Uma coisa, no entanto, é certa: somos e seremos sempre importantes neste setor – mesmo que não sejamos os líderes isolados, como na eólica. E temos muito a fazer para honrar este potencial que temos.

Quem
Jean-Paul Prates é advogado e economista. Mestre em Planejamento Energético e Gestão Ambiental pela Universidade da Pennsylvania; Mestre em Economia do Petróleo pelo Instituto Francês do Petróleo. Participou da elaboração do marco regulatório da atual indústria do petróleo do Brasil. Foi Secretário de Estado de Energia do RN. Atualmente, dirige o Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia, voltado para estratégias públicas e privadas nestes setores. Preside o SEERN – Sindicato das Empresas do Setor Energético do RN.

Fonte: Tribuna do Norte | Ricardo Araújo
energia-eolica-PM-M-S

Proposta de “royalties sobre o vento” força setores eólico e solar a refletir

Terminado o carnaval, o ano começa para os setores de energias renováveis com uma pauta tão exdrúxula quanto inconveniente: a proposta de um senador piauiense retoma, desta vez com mais firmeza e respaldo de uma emenda constitucional, a reiterada tentativa de assessores e parlamentares iluminados de instituir um “royalty” sobre o uso do vento e, por que não logo estender, também sobre o uso da radiação solar.

Não é a primeira vez que oportunistas ocasionais sucumbem à quase inevitável comparação com os royalties do petróleo, mesmo devidamente avisados quanto à natureza jurídicadestes visando a compensar financeiramente as regiões produtoras pela depleção de jazidas de recursos não-renováveis.

Tampouco adianta explicar sobre a aguda regressividade deste mecanismo na viabilidade econômica dos projetos, uma vez que, apesar de apresentar alíquotas aparentemente pequenas, o royalty incide sobre a receita bruta, sem considerar as diferenças de rentabilidade e volume de investimentos de cada empreendimento.

A essência do argumento para os royalties do vento e do sol soa mais forte e mais imponente que tudo isso. O argumento é que usinas eólicas e fotovoltaicas são construídas em localidades remotas e/ou turísticas do Brasil, fortalecem e aquecem as economias locais por um tempo mas, ao longo da sua operação, passam a não gerar mais tanta receita para os estados e municípios anfitriões.

Isso cala fundo na pauta local de prefeitos, vereadores, governadores e deputados estaduais – o que tende a subir com força impetuosa para os debates federais no Congresso Nacional. Por isso, apesar de não fazer qualquer sentido técnico-fiscal e de não encontrar precedente em país algum, a idéia dos royalties vem ganhando força.

Convenientemente fora de pauta, persiste a insólita questão de que o setor energético (juntamente com o de petróleo e gás) recolherem ICMS para as regiões consumidoras, e não para os locais onde produzem/geram – como é o caso de todos os demais produtos. Decorrente de um cenário completamente obsoleto de compensação para São Paulo pela criação dos royalties do petróleo na Constituinte de 1988, hoje esta configuração mostra-se inapropriada, desigual e até anti-econômica. Com o advento das fontes renováveis (biomassa, PCHs, eólicas e fotovoltaicas), a quantidade de estados e municípios que geram energia aumentou substancialmente. Por outro lado, a incidência do ICMS em favor da localidade consumidora é uma indução ao desperdício e à ineficiência energética!

Por todas estas razões, urge a alteração da destinação do ICMS da energia de forma a compensar, ao menos parcial e gradualmente, os estados e municípios geradores. Isso eliminaria a discussão sobre benefício fiscal local e, ao mesmo tempo, não oneraria adicionalmente os empreendimentos recém-viabilizados nas áreas de aproveitamento de fontes renováveis.

Mesmo apesar de todas as explicações formais, o fato de apenas subestimar as causas reais do ambiente que gerou este inadequado projeto de royalties sobre o vento (e sobre o sol) não resolve a questão. É preciso atacá-las de frente, e só a indústria energética pode fazê-lo efetivamente.

Em tempo, é preciso adicionar que a equalização das taxas de juros e condições de financiamento aos projetos socioambientais (“sub-crédito“), recentemente determinada pelo Governo Federal ao BNDES, também contribui para este cenário de decepção das cidades e comunidades quanto aos empreendimentos eólicos e solares.

Portanto, é passada a hora de se deixar de escamotear este desconfortável dilema: ou se trabalha consensualmente no aprimoramento das receitas e benefícios para as regiõesque geram energia, ou se terá que brigar o tempo todo contra iniciativas legislativas e executivas heterodoxas, impositivas e surpreendentes.

Este e outros temas serão discutido no X Fórum Nacional Eólico – Carta dos Ventos +10, a realizar-se no primeiro semestre deste ano, e também, no que se referem às repercussões para o setor solar fotovoltaico, na X Conferência Nacional de Energia Solar – Solarinvest Brasil 2018.

Fonte: E&P Brasil | Artigo escrito pelo Presidente do CERNE, Jean-Paul Prates

serra de santana - OpBR

Seridó se prepara para expandir energia renovável

Programa Seridó Solar almeja atrair investimentos em energia renovável para a região

A cidade de Currais Novos (RN) sediará na próxima quarta-feira (07) a instalação do Programa Regional de Desenvolvimento das Fontes Renováveis de Energia do Seridó́ (“Seridó Solar”), que visa a criar e organizar ambientes favoráveis ao investimento na geração de energia a partir das fontes renováveis – solar e eólica.

A iniciativa do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE) em parceria com o Sindicato das Empresas do Setor Energético do Estado do Rio Grande do Norte (SEERN) e entidades parceiras nacionais e regionais começará a apresentada às lideranças governamentais, empresariais e rurais da região do Seridó em reunião ordinária da Associação dos Municípios do Seridó Oriental (AMSO) e da Associação dos Municípios do Seridó do RN (AMS), e prosseguirá com outras reuniões ao longo da semana, em Caicó e em Currais Novos.

Na região do Seridó, o potencial de geração de energia mais conhecido é o vento da Serra de Santana, na qual foram instaladas algumas dezenas de parques eólicos, com centenas de turbinas (aerogeradores). “Hoje, a Serra de Santana é uma das principais regiões produtoras de energia do Estado, juntamente com a região do Mato Grande e o Litoral Norte potiguar”, explica Darlan Santos, diretor setorial de energia eólica do CERNE.

Quanto à radiação solar, não chega a ser novidade para o seridoense de que se trata de um elemento abundante no seu dia a dia. No entanto, só recentemente é que o desenvolvimento tecnológico e a evolução do cenário energético global e nacional vêm fazendo do recurso solar uma fonte de energia cada vez mais competitiva.

“Há séculos o homem faz uso do calor e da luz do sol para inúmeras atividades mas, recentemente, os esforços dos países para sair da dependência do petróleo fizeram com que tecnologias para utilização de fontes renováveis se tornassem cada vez mais viáveis e acessíveis”, explica Luis Carlos Cheracomo, coordenador de área na divisão de Geração Solar Distribuída da ENGIE, uma das maiores empresas de energia do mundo, com presença em mais de 70 países.

Cadastro de Terras

Uma das iniciativas preliminares é o mapeamento das áreas com potencial energético, ou seja, áreas cujos proprietários desejam saber se serviriam ou não para a instalação de grande porte.

O site www.cadastresuaterra.com.br já permite submeter terrenos e propriedades que ficam diretamente disponíveis à consulta por parte das mais importantes empresas do setor. “É um cadastro simples, que permite que um empreendedor ou corporação energética visualize e analise uma propriedade sem necessariamente visitá-la, desde a sua sede em qualquer lugar do mundo. Mas é importante que o preenchimento seja feito com atenção especial quanto às coordenadas geográficas do terreno”, detalha o gestor de projetos do CERNE, Paulo Henrique Macedo, também ex-Secretário de Estado do Desenvolvimento Agrário à época da consolidação do setor no RN.

Mas há desafios a enfrentar como a logística de escoamento da energia (as linhas de transmissão e subestações de coleta). Para isso, o CERNE defende que a região precisa mobilizar suas lideranças e pressionar diretamente tanto o governo estadual quanto federal ao longo dos próximos dois anos, pelo menos. “O trabalho começa agora, mas os resultados efetivos só podem ser esperados a médio prazo, pois o planejamento do setor é feito em Brasília e as prioridades existem em todo o Brasil. Basicamente, quem pressiona mais, leva”, conclui o coordenador.

CERNE

O CERNE é uma entidade civil empresarial que reúne as principais empresas que investem e operam nos setores relacionados a recursos naturais e energia renovável no Nordeste.

“Somos hoje o estado líder nacional em parques eólica e potência instalada, em geração eólica efetiva e em exportação de energia eólica para o sistema nacional, graças ao processo de preparação que organizamos desde o início da nova era dos leilões federais de energia em 2008”, explica o diretor-presidente do CERNE, Jean-Paul Prates, que foi Secretário de Energia do Estado entre 2007 e 2010, quando liderou o movimento de atração de investimento em energia eólica para o RN.

Os diretores e técnicos do CERNE organizaram o Programa Seridó Solar em três frentes: a primeira diz respeito à chamada geração centralizada, que são os grandes empreendimentos destinados a gerar energia para o sistema integrado nacional. A segunda e a terceira frentes dizem respeito às ações e projetos de geração distribuída, ou seja, a micro e minigeração realizadas pelos próprios consumidores finais.

“O CERNE conta com uma equipe muito competente, ética e apoiada pelas principais marcas do setor energético mundial e nacional, por isso temos a certeza de que é possível desenvolver o potencial energético do Seridó de forma inteligente, eficiente e sustentável, gerando renda local e postos de trabalho qualificados”, assegura André Medeiros, empresário local e coordenador regional do Seridó Solar.

Fonte: CERNE Press

consumo-de-energia-eletrica

A Força está com a energia limpa: 10 previsões para 2018

Por Angus McCrone, Editor-chefe da Bloomberg New Energy Finance.

É janeiro, o que significa que é hora da BNEF olhar para frente e tentar prever o que vai acontecer em 2018 nos setores de energia e transporte limpos. Por sorte, está passando um novo filme da série Star Wars e eu encontrei o sábio Mestre Yoda no LinkedIn.

Resumidamente, a Força estará com a energia e o transporte limpos neste ano, mas também existe um Lado Negro da Força.

Claro, nem todas as previsões são do Mestre Yoda. Meus colegas analistas da Bloomberg New Energy Finance deram uma mãozinha. Detalhei as previsões deles a seguir, cobrindo energia solar, eólica, armazenamento de energia em baterias, veículos elétricos, mobilidade inteligente, gás na América do Norte, GNL, políticas do governo americano e o dinamismo dos mercados da China e Índia.

Antes, vamos discutir os amplos fatores que podem embalar — ou atrapalhar — o progresso em 2018. A queda consistente nos custos de energia solar e eólica e das baterias de íon de lítio significa que continuarão surgindo oportunidades de mercado para energia limpa, armazenamento limpo e veículos elétricos. Em 2017, foram atingidos novos recordes para as tarifas em leilões de energia renovável ao redor do mundo. Um exemplo foi o valor de US$18,60 por MWh para energia eólica onshore no México, que seria impensável dois ou três anos atrás.

No caso das baterias, calculamos que os preços dos pacotes de baterias de íon de lítio caíram nada menos do que 24% no ano passado, criando a perspectiva, com melhorias adicionais de custos, de os veículos elétricos deixarem para trás, em meados ou no final da década de 2020, os carros convencionais com motor de combustão interna — tanto em termos de investimento inicial quanto de longevidade.

Estudos aprofundados das nossas equipes sugerem que essas tendências de redução de custos continuarão nos próximos anos, graças a economias de escala e avanços tecnológicos. Ainda assim, nenhuma tendência mostra uma linha reta, dada a importância do equilíbrio entre oferta e demanda e dos preços das commodities.

A expansão da economia mundial nos últimos meses também pode ajudar a transição em energia e transporte porque elevou os preços de petróleo e carvão (e, em menor medida, do gás), favorecendo um pouco a competitividade da energia eólica e solar e dos veículos elétricos. A confiança dos investidores em nossos setores vem aumentando discretamente. O WilderHill New Energy Global Innovation Index (NEX), que acompanha o desempenho de aproximadamente 100 ações de empreendimentos de energia e transporte limpo no mundo todo, subiu 28% entre o final de 2016 e o dia 11 de janeiro deste ano.

Mas é aí que entra o Lado Negro da Força. Há motivo para preocupação com alguns dos riscos neste início de 2018 e com movimentos externos que podem impactar a transição energética. Um risco específico é a coexistência instigante de vários anos de pujança do mercado financeiro com o potencial para um choque político ou geopolítico, como, por exemplo, uma colisão entre o presidente Donald Trump e Robert Mueller (o responsável por investigar se houve interferência da Rússia na eleição presidencial dos EUA), um erro de cálculo na Península Coreana ou enfrentamento militar entre Irã e Arábia Saudita.

Também há o risco convencional de mercado. A economia mundial mais saudável aumentou a probabilidade de aperto da política monetária não só nos EUA, mas também na Europa e no Japão. Os juros de longo prazo vêm subindo. A taxa de 10 anos nos EUA saiu de 2% em setembro para mais de 2,5% atualmente. Um movimento maior na mesma direção pode começar a afetar o custo do capital e, portanto, a competitividade relativa de tecnologias de alto investimento e baixa despesa operacional, como energia eólica e solar.

Com esta introdução e a observação nada original de que o progresso da transição em energia e transporte depende do sucessodas principais empresas do ramo e da capacidade dos países de administrar uma matriz energética desafiadora, aqui vão as ‘‘10 previsões para 2018” da BNEF:

1. US$ 330 BILHÕES EM INVESTIMENTOS EM ENERGIA LIMPA, OUTRA VEZ

Os dados da BNEF sobre investimentos em energia limpa em 2017 mostram um valor robusto de US$ 333,5 bilhões, 3% a mais do que o total revisado do ano anterior e 7% abaixo do recorde estabelecido em 2015. Espero valor bastante similar em 2018 porque os fatores que podem contribuir para uma quantia maior parecem bem equilibrados com os fatores que justificariam um investimento menor.

Primeiramente, a redução inclemente do custo de capital dos projetos solares (e, em certa medida, eólicos) significa que a mesma quantia em dólares compra mais gigawatts do que um ano atrás. Os investimentos em projetos eólicos offshore podem ficar aquém dos US$ 20,8 bilhões do ano passado, a menos que projetos na França se acelerem e recebam financiamento em 2018.

Por outro lado, o investimento dos mercados abertos pode ser maior do que a quantia modesta de US$ 8,7 bilhões de 2017, que foi a menor em cinco anos. Isso a menos que o mercado acionário de modo geral se abale. Por exemplo, a fabricante de baterias para veículos elétricos Contemporary Amperex Technology apresentou a documentação para uma operação de abertura de capital de US$ 2 bilhões na bolsa de Shenzhen. Nossa equipe de energia solar prevê crescimento adicional em 2018, assim como a equipe especializada em armazenamento de energia (ver abaixo as previsões específicas para cada categoria). Talvez isso seja suficiente para anular o impacto da redução dos custos de investimento.

(Angus McCrone)

2. ENERGIA SOLAR PASSANDO DE 100GW – E AVANTE!

Em 2018, serão instalados ao menos 107GW de capacidade de energia solar, acima dos surpreendentes 98GW do ano passado. Outros países se estabelecerão como mercados significativos. A China ainda domina as previsões para sistemas fotovoltaicos neste ano, com 47-65GW. No entanto, América Latina, Sudeste Asiático, Oriente Médio e África terão fatias significativas neste ano. Por exemplo, o México deve passar de 3GW em 2018, enquanto Egito, Emirados Árabes Unidos e Jordânia devem ter juntos 1,7-2,1GW.

A expansão da China, que teve extraordinários 53GW adicionados em 2017, ainda é irracional. O mecanismo de subsídios ainda não foi definido e muitos projetos estão sendo construídos antes de garantirem uma ‘cota’ do governo para ter acesso aos subsídios. No entanto, parece que investidores e empresas estatais da China vão erguer esses projetos, presumindo que o governo encontrará uma saída ou que pelo menos oferecerá compensação pela energia, impedindo perda completa.

A China pode introduzir a obrigatoriedade de um crédito de energia renovável em 2018, o que pode solucionar parte a questão da origem dos subsídios. Aproximadamente metade dos projetos novos na China terá conexão com a rede de distribuição, ou seja, são projetos menores com capacidade para vender para consumidores locais. Esses projetos não são sujeitos a cotas, mas são limitados pela capacidade dos grandes desenvolvedores de juntar grandes volumes em contratos pequenos.

(Jenny Chase, responsável pela equipe de energia solar)

3. INSTALAÇÕES DE ENERGIA EÓLICA AUMENTARÃO NOVAMENTE

Globalmente, o total adicionado de projetos de energia eólica – onshore e offshore – foi de 56GW em 2017, pouco acima dos 54GW de 2016, porém bem abaixo do recorde de 63GW atingido no ano anterior. A nosso ver, essa recuperação lenta continuará em 2018, com a chegada de aproximadamente 59GW. Outro recorde provavelmente será atingido em 2019, ao redor de 67GW, com a proximidade do vencimento do crédito tributário nos EUA. China e América Latina devem apresentar crescimento entre 2017 e 2018.

Na categoria offshore, os principais mercados ainda serão Reino Unido, Alemanha, Holanda e China, mas EUA e Taiwan estarão preparando o terreno neste ano para uma série de projetos na década de 2020. Um dos destaques de 2018 será o resultado do leilão com subsídio zero na Holanda para as zonas Hollandse Kust I e II, somando 700MW. Duas empresas confirmaram participação (Vattenfall e Statoil) e esperamos que outras façam o mesmo. A disputa entre concorrentes fortes seria outro sinal da grande melhora da rentabilidade da energia eólica offshore.

(Tom Harries, analista sênior de energia eólica)

4. PREÇO DE BATERIAS DIMINUI APESAR DA PRESSÃO DOS PREÇOS DOS METAIS

Os preços das baterias de íon de lítio continuarão caindo em 2018, mas em ritmo mais lento do que em anos anteriores. Os preços do cobalto e do carbonato de lítio subiram 129% e 29%, respectivamente, em 2017. Isso começará a elevar os preços médios das células em 2018, alimentando muitos relatos de ameaça à revolução dos veículos elétricos e da armazenagem de energia. Apesar disso, esperamos queda de 10-15% do preço médio das baterias devido a economias de escala, tamanhos maiores e melhoria na densidade energética de 5-7% por ano.

A diminuição dos custos de investimento, a maior necessidade de recursos flexíveis e a maior confiança na tecnologia subjacente seguirão embalando a demanda por armazenamento de energia. Globalmente, a instalação de sistemas de armazenamento em 2018 passará de 2GW/4GWh e a Coreia do Sul será o maior mercado pelo segundo ano consecutivo. No entanto, o mercado ainda está frágil e algumas expectativas sobre a velocidade de instalação não são realistas. As baterias são promovidas como a resposta para todos os males das renováveis intermitentes, incluindo a canibalização de preços causada pelo efeito de ordem de mérito, equilíbrio no sistema e restrições de rede. O que determinará a taxa de aceitação são medidas governamentais, não somente a economia. O armazenamento de energia ainda é um tema pouco compreendido por autoridades e profissionais do setor energético. Isso é muito importante porque investir em alternativas, como usinas à base de gás natural com duração prevista acima de 25 anos, vai criar um longo período de bloqueio que limitaria oportunidades para outros recursos flexíveis, como armazenamento, ou resultar em ativos problemáticos mais adiante.

(Logan Goldie-Scot, responsável por armazenamento)

5. VENDAS DE 1,5 MILHÃO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

Serão vendidos no mundo inteiro aproximadamente 1,5 milhão de veículos elétricos em 2018, com a China representando mais da metade do mercado global. Isso representa um aumento de 40% em relação a 2017, uma pequena desaceleração na taxa de crescimento à medida que a China reduz subsídios em preparação para a adoção da cota de veículos elétricos em 2019. A previsão é que as vendas por lá diminuam no primeiro trimestre e se recuperem no resto do ano. A Europa se manterá como segundo maior mercado para veículos elétricos. As preocupações com a qualidade do ar estão aumentando nas capitais europeias e a rejeição ao diesel beneficiará esse mercado. A Alemanha merece especial atenção. As vendas de veículos elétricos dobraram no país em 2017 e podem dobrar novamente em 2018. Na América do Norte, as vendas em 2018 devem chegar a 300.000 unidades, mas a grande dúvida é a Tesla. Se a empresa cumprir as metas de produção, as vendas nos EUA podem ficar muito acima disso.

(Colin McKerracher, responsável por veículos elétricos)

6. CARROS AUTÔNOMOS SE APROXIMAM DA MARCA DE 10 MILHÕES DE MILHAS

Com base na última atualização da Waymo e na nossa análise das atividades de outras companhias, calculamos que, no fim de 2017, os carros da categoria percorreram 8,37 milhões de quilômetros em modo autônomo. No final de 2018, projetamos 13,3 milhões de quilômetros. A maior parte da distância até agora foi percorrida por veículos para teste, mas isso pode mudar em 2018. Os veículos fabricados pela Tesla são os principais candidatos a percorrer maior quilometragem autônoma. A empresa ainda não ativou o pacote “Full Self-Driving” que já está vendendo. E o desempenho do recurso “Enhanced Autopilot” já ativado nos automóveis da Tesla piorou desde o fim da parceria com a Mobileye, em setembro de 2016. Se a Tesla superar esses desafios em 2018, terá liderança da quilometragem autônoma percorrida por carros pertencentes a consumidores privados.

Outra fonte de quilometragem autônoma será a linha de automóveis semiautônomos de Nível 3 que GM, Mercedes, Toyota e VW começaram a vender. A contribuição desses veículos provavelmente será menor do que a da frota da Tesla, uma vez que essas montadoras definiram mais restrições a respeito das circunstâncias em que os consumidores podem usar os recursos de direção autônoma. Os carros pertencentes a consumidores privados podem se tornar grande fonte de quilometragem autônoma em 2018, potencialmente elevando a distância total acumulada de modo totalmente autônomo para acima de 16 milhões de quilômetros (10 milhões de milhas). No entanto, existem riscos associados ao uso equivocado da tecnologia por consumidores – como o acidente fatal envolvendo o Model S, da Tesla, em maio de 2016 – e mais acidentes podem resultar em restrições maiores ao avanço dos veículos autônomos.

(Ali Izadi-Najafabadi, responsável por mobilidade inteligente)

7. AUMENTO ADICIONAL EM PRODUÇÃO DE GÁS E GERAÇÃO NOS EUA

A BNEF estima que o preço do gás natural na Nymex, usando como referência Henry Hub, ficará, na média, em US$3 por milhão de Btu (MMBtu) em 2018, com variações de 10% ao redor dessa média, puxado pela demanda sazonal e por eventos de curto prazo que afetem o mercado. Os mercados de gás natural continuarão evoluindo em 2018, com o aumento da produção nos EUA e da demanda. Nossa expectativa é que a faixa de preços fique próxima ao observado em 2017.

O ano passado foi monumental para a produção nos EUA, quando foi atingido um novo pico de 77,3 bilhões de pés cúbicos (2,19 bilhões de metros cúbicos) por dia (Bcfd), com base em estimativas da BNEF. Isso ocorreu porque os produtores reativaram as plataformas, já que a recuperação de preços e os avanços tecnológicos melhoraram a lógica econômica da produção. Esperamos que essa tendência continue em 2018 — liderada pelas formações de Marcellus/Utica, na região Nordeste do país, e por Permian, no Oeste do Texas —, uma vez que o break-even da produção ficará bem abaixo de US$3/MMBtu. No agregado, a BNEF projeta que a produção de gás natural seco atingirá novo recorde, passando de 80 Bcfd até o fim deste ano.

O consumo e a exportação de gás natural pelos EUA também foram notáveis no ano passado. A recuperação do preço do gás natural, de 18% para uma média em 2017 de US$3,02/MMBtu ajudou a reverter o forte movimento de troca de carvão por gás nos EUA em 2015 e 2016. Para 2018, esperamos que a geração de gás se acelere novamente, em 4% para uma média de 26,6 Bcfd, embora 17GW em novas instalações de energia eólica e solar caminhem para destruir parte da demanda por gás natural. O aumento se deve sobretudo a novos projetos mais eficientes de geração de gás nos EUA, diminuindo ainda mais a presença do carvão na matriz energética. A exportação voltará a desempenhar papel significativo na estabilização da balança e do preço do gás natural, com a chegada de dois novos projetos de liquefação de GNL.

(Het Shah, responsável por gás na América do Norte)

8. COMÉRCIO DE GNL CHEGARÁ A US$ 120 BILHÕES

O mercado global de gás natural liquefeito terá outro ano de expansão significativa. A demanda deu um salto de 10% em 2017 para 285MMtpa – o maior crescimento desde 2011 – e projetamos acréscimo de 7-10% em 2018. Volumes e preços maiores levarão o comércio de GNL para US$ 120 bilhões, valor 15% maior do que o apurado no ano passado. Os fatores mais importantes serão o aumento da demanda na China e a competitividade do GNL (cujo preço é influenciado pelo petróleo e pela cotação de referência Henry Hub) em relação a petróleo e carvão.

O preço spot do GNL na Ásia, região que consome 75% desse combustível, ficou em US$9/MMBtu, na média, no último trimestre de 2017, 35% a mais do que um ano antes, sugerindo um mercado com menos folga no inverno. A China foi o principal determinante. Consumidores industriais e residenciais chineses aceleraram os esforços de troca do carvão pelo gás, ao mesmo tempo em que a demanda por aquecimento no inverno disparava em outras partes do mundo. Em janeiro de 2018, o preço spot subiu ainda mais no Norte da Ásia, superando US$11/MMBtu, provocando dúvidas quanto ao excedente no mercado neste ano. Por um lado, diversos fatores favorecem o aumento da demanda, como o maior consumo na China para melhora da qualidade do ar, a retomada mais lenta do que o previsto das operações nucleares no Japão, novos centros de demanda como Paquistão e Bangladesh e a política energética favorável ao gás na Coreia do Sul. Por outro lado, chegarão ao mercado 35MMtpa em capacidade adicional de liquefação em 2018, indicando que o mercado pode ter mais folga.

(Maggie Kuang, principal analista de GNL para Ásia Pacífico)

9. CARVÃO ESCORRE PELOS DEDOS DE TRUMP

O governo Trump continuará usando todos os estratagemas possíveis para revitalizar a produção de energia à base de carvão nos EUA, mas não vai interromper o inevitável e inexorável declínio de carvão. Não é preciso ir muito longe. Já se sabe que 2018 será o segundo ano com o maior número de desativações de usinas movidas a carvão, com previsão de encerramento de projetos com capacidade somada de 13GW. A primeira semana de janeiro foi especialmente gelada nos EUA, o que pode elevar a métrica de megawatts de carvão por hora, mas a capacidade total ativa de usinas movidas a carvão vai continuar diminuindo. Além disso, em 8 de janeiro, a Comissão Federal Reguladora de Energia dos EUA rejeitou uma solicitação do secretário de Energia, Rick Perry, para que os mercados de energia do país recompensassem usinas nucleares e movidas a carvão pela suposta “resiliência” que proporcionam ao sistema elétrico. A comissão, que se orgulha da sua independência, rejeitou o pedido de Perry por 5 votos a 0, sem inclinações partidárias.

O suporte crítico aos projetos de energia eólica e solar nos EUA ainda vem dos créditos tributários, que sobreviveram praticamente intactos à legislação de corte de impostos do ano passado. Ainda existem questões pendentes sobre o financiamento de projetos após as mudanças fiscais, mas os planos parecem relativamente saudáveis para 2018. No entanto, se Trump optar por tarifas ou outras penalidades sobre células fotovoltaicas fabricadas no exterior, os preços locais para módulos fotovoltaicos podem subir e inviabilizar economicamente uma parcela significativa dos projetos solares planejados nos EUA. Ironicamente, Trump provavelmente justificaria tal medida professando apoio à energia solar, uma vez que duas companhias que fabricam os equipamentos nos EUA estão defendendo as tarifas.

(Ethan Zindler, responsável pelas Americas)

10. CARVÃO DE PARTIDA NA ÍNDIA, CHINA CONSTRÓI PROJETOS SOLARES MENORES

A transição energética continuará a todo vapor nos dois maiores mercados de energia da Ásia, a Índia e a China, embora os dois países enfrentem oportunidades e desafios bem distintos. Na Índia, 2017 foi misto. Foram construídos 12GW em energia renovável, uma quantia decente, mas os novos investimentos em energias limpas diminuíram 20% devido a leilões cancelados e renegociação de contratos. Por outro lado, a Índia também teve um ano ruim em termos de acréscimo de capacidade de combustíveis fósseis em 2017, com um número significativo de projetos atrasados. O tempo entre financiamento e construção de projetos indica que a terceira maior economia da Ásia deve ver apenas 10GW em capacidade renovável construída em 2018. O comissionamento de usinas movidas a combustíveis fósseis chega a 13GW, boa parte referente a projetos não concluídos no ano passado.

No entanto, 2018 será o último ano em que os combustíveis fósseis superam os renováveis na Índia. A partir de 2019, o grau maior de certeza sobre políticas governamentais para renováveis e menos projetos envolvendo carvão significam que a construção de projetos de energia renovável vai superar a de combustíveis fósseis a cada ano. Isso será um marco para um país considerado campo de batalha importante para estabilizar o crescimento global das emissões que causam o efeito estufa.

A empolgação com a energia solar na China continuará em 2018 (ver Previsão 2, acima). Em 2018, a China também chegará a um ponto de transição, no qual construirá mais projetos solares conectados à rede de distribuição do que os projetos maiores, conectados à rede de transmissão, além de dobrar o volume de projetos solares construídos.

A diferença entre os dois — distribuição e transmissão — vai além do tamanho. Os projetos conectados à rede de distribuição envolvem redes de voltagem mais baixa, permitindo que se localizem mais perto dos usuários finais, portanto sujeitos a menos restrições e desperdício de energia. São menores e aproximadamente 70% deles são montados em telhados. Mais importante, o segmento de maior crescimento entre os projetos conectados à rede de distribuição são os sistemas de telhado dedicados a fornecer energia renovável somente para um local específico. Nossa estimativa é que dobrem para 14GW na China em 2018.

(Justin Wu, responsável por Ásia-Pacífico)

Estas foram as 10 previsões da BNEF para 2018. Vamos retornar a essas previsões adiante para verificar onde erramos e acertamos. Nos próximos dias, alguns dos meus colegas publicarão previsões mais detalhadas e fatores a serem monitorados neste ano que começa.

Até lá, desejamos um 2018 feliz e próspero para nossos clientes e leitores. E que a Força esteja com vocês!

Não posso prometer que o Mestre Yoda será um dos palestrantes, mas nunca se sabe…

Fonte: Bloomberg

Foto: Tribuna do Norte

Geração de energia fotovoltaica no país atinge 1 gigawatt

O Brasil alcançou a marca histórica de 1 gigawatt (GW) de potência instalada em usinas de fonte solar fotovoltaica conectados à matriz elétrica nacional. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), responsável pelo levantamento, a potência é suficiente para abastecer 500 mil residências e atender o consumo de 2 milhões de brasileiros. O resultado também coloca o Brasil entre os 30 países do mundo, de 195, que possuem mais de 1 GW de fonte solar.

O presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, reconhece avanços, mas destaca que o país ainda está abaixo do seu potencial. “O Brasil está mais de 15 anos atrasado no uso da energia solar fotovoltaica. Temos condições de ficar entre os principais países do mundo nesse mercado, assim como já somos em energia hidrelétrica, biomassa e eólica. Para isso, precisamos de um programa nacional estruturado para acelerar o desenvolvimento da energia solar fotovoltaica”, disse por meio de nota.

Ele também explicou que essa marca é decorrente do crescimento dos mercados de geração centralizada e geração distribuída solar fotovoltaica em 2017. “Na geração centralizada, contamos com a inauguração de grandes usinas solares fotovoltaicas contratadas pelo governo federal em leilões de energia elétrica realizados em 2014 e 2015. As usinas em funcionamento estão localizadas principalmente nos estados da Bahia, Piauí, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Pernambuco e representam uma potência total de 0,935 GW”, informou.

Na geração distribuída, também foi registrado crescimento no uso pela população, empresas e governos de sistemas fotovoltaicos em residências, comércios, indústrias, prédios públicos e na zona rural, em todas as regiões do país. A potência total, nesse caso, é de 0,164 GW. “Somando estes dois segmentos do mercado, atingimos praticamente 1,1 GW operacionais no país desde o início de 2018”, informou Rodrigo Sauaia.

Rio Grande do Norte
Em quatro anos, o Rio Grande do Norte ampliou em mais de 4000% sua capacidade instalada de geração em energia solar fotovoltaica distribuída. O estado passou de 56 kilowatts em 2013 para 2.219 kw no primeiro semestre do ano passado.

Para Jean-Paul Prates, presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE), a região nordestina precisa criar um ambiente favorável, como foi feito no caso da energia eólica. Nesse sentido, ele aponta que o estado está caminhando positivamente. “Quando nós começamos o trabalho em relação à eólica, havia um deserto de circunstância e tivemos que criar um ambiente favorável para a energia eólica. É a mesma coisa com a solar”, pontuou Prates.

Em dezembro do ano passado, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou para operação comercial da usina solar Assu V, adicionando a matriz energética do estado mais 30 MW de capacidade instalada.O empreendimento custou R$ 220 milhões.

Fonte: Tribuna do Norte com informações do CERNE Brasil

2017-09-15-PHOTO-00001784

Usina solar entra em operação comercial em Assu

Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano

A Aneel publicou no Diário Oficial da União desta terça-feira (26) a autorização para operação comercial da usina solar Assu V. O despacho confirma do COD da usina, que tem 30 MW de capacidade instalada, ocupa uma área de 72 hectares no município de Assú (RN) e contou com investimento de R$ 220 milhões. Certificada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano.

“Com essa usina ampliamos nossa experiência no setor fotovoltaico e consolidamos nossa entrada definitiva na geração solar centralizada”, diz o diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini. O empreendimento, segundo o executivo, reforça a estratégia global da ENGIE de investir na geração de energia renovável. “Ao lado da geração fotovoltaica distribuída, este é um mercado para o qual visualizamos um crescimento expressivo nos próximos anos”, revela Sattamini. O diretor de Geração da ENGIE, José Laydner, conta que estudos mostraram a forte incidência de raios solares e poucas chuvas durante o ano na região do Vale do Açu, onde está o projeto. “Essa é a condição ideal para a geração fotovoltaica”, sinaliza.

Até chegar aqui foram dois anos de estudos e negociações desde a vitória no 8° Leilão para Contratação de Energia de Reserva e 257 dias de obras desde o início da construção A equipe de implantação viveu boas experiências e muitos desafios. O principal deles foi a mudança do ponto de conexão do projeto ao Sistema Interligado Nacional, que estava programado para ocorrer na Subestação Açu 3. Com a interrupção da obra por parte do investidor responsável, a conexão passou para a Subestação Açu 2, já em operação. “Todo o processo regulatório, arqueológico e ambiental da linha de transmissão foi reiniciado, o que demandou esforços de diferentes áreas da empresa. No final recuperamos o cronograma e a conclusão das obras não foi afetada”, ressalta Laydner. “A construção seguiu o cronograma previsto, sem atrasos. Começamos em abril de 2017 e concluímos em 13 de dezembro, usando dez dias para testes”.

Programas socioambientais e inserção comunitária

Durante esse tempo, o poder público e a população foram receptivos ao empreendimento. Para a comunidade da região de Açu, a usina representa não apenas um aporte financeiro significativo. “Geramos empregos, ajudamos a mitigar os impactos da crise, desenvolvemos e proporcionamos projetos sociais e ambientais”, diz Giuliano Pasquali, gerente da ENGIE para esse projeto.

Entre as ações socioambientais desenvolvidas estão o de Reflorestamento com plantio de 1,3 mil mudas; implantação do Sistema de Irrigação com monitoramento diário e o programa de Monitoramento da Fauna. Outro destaque é o programa de Educação Ambiental, que incluiu oficinas de capacitação. “Essas oficinas foram escolhidas pelos moradores e contaram com ótima frequência e interesse”, ressalta Pasquali. Em setembro, por exemplo, foram três semanas consecutivas. O tema Agroecologia nas Comunidades ensinou formas de atividades mais ecológicas para melhorar a convivência dos moradores com o meio ambiente. “Desenvolvemos três módulos com temáticas diferentes: Quintais e Produção Agroecológica; Gestão de Resíduos Sólidos Orgânicos e Gestão da Água”.

Fonte: Setor Energético

2017-12-20T171508Z_1_LYNXMPEDBJ1GG_RTROPTP_3_ENERGIA-LEILOES-RENOVAVEIS

Brasil contrata energia eólica e solar a preço mais baixo que hídrica pela 1ª vez

O Brasil fechou nesta semana a contratação de novas usinas de energia eólica e de geração solar a preços menores que os de hidrelétricas, que são tradicionalmente o carro-chefe e a mais barata fonte de produção de eletricidade no país.

Os leilões de segunda e quarta-feira para contratação de energia registraram fortes deságios ante os preços teto estabelecidos pelo governo, em meio a uma acirrada disputa dos investidores interessados em construir os empreendimentos, que deverão ser entregues entre 2021 e 2023.

Os resultados mostraram a sede de investidores como Enel Green Power, AES Tietê e EDP Renováveis em vender energia renovável nos primeiros leilões para projetos eólicos e solares desde 2015, após o governo cancelar licitações no ano passado devido à falta de demanda por eletricidade em meio à crise financeira do país.

“Tivemos quase dois anos sem leilão, então isso faz com que os fornecedores… mergulhem o preço, e isso ajuda a explicar o preço baixo. Mas ainda assim, se você me perguntasse duas semanas atrás, eu não esperaria que rompessem patamares tão baixos”, disse à Reuters o diretor da consultoria Excelência Energética, Erik Rego.

“A conjuntura favoreceu, a taxa de juros está caindo, isso acaba interferindo no resultado”, acrescentou o consultor.

No leilão A-6 desta quarta-feira, os projetos eólicos chegaram a negociar a venda da produção futura por um preço médio de cerca de 98 reais por megawatt-hora, contra uma mínima recorde anterior, em licitação de 2012, de quase 119 reais atualizado pela inflação.

Na contratação da segunda-feira, o chamado leilão A-4, as usinas solares praticaram preços médios de cerca de 145 reais, contra uma mínima de 245 reais de um pregão de 2014.

Enquanto isso, as hidrelétricas tiveram preço médio de cerca de 219 reais nesta quarta-feira, contra valores médios entre 218 e 213 reais de usinas termelétricas a biomassa e gás natural.

DISPUTA ACIRRADA

O resultado histórico para as renováveis, com forte deságio frente aos preços teto estabelecidos para os leilões, foi fruto de enorme disputa entre investidores para fechar os contratos de longo prazo para entrega de energia às distribuidoras.

Por parte dos investidores, destacaram-se estrangeiros, como os italianos da Enel Green Power, com projetos eólicos e solares e presença nos dois certames, a AES Tietê, da norte-americana AES Corp, que viabilizou usinas solares, além da EDP Renováveis, da portuguesa EDP, e da francesa Voltalia, que também viabilizaram empreendimentos.

Juntos, os dois leilões realizados nesta semana acrescentarão cerca de 4,5 gigawatts em capacidade à matriz brasileira, sendo 674,5 megawatts para entrega em 2021 e 3,8 gigawatts para conclusão em 2023.

Os empreendimentos contratados deverão somar mais de 18 bilhões de reais em investimentos para serem implementados, com a maior parte, ou quase 14 bilhões de reais, associada aos empreendimentos com entrega para 2023.

Os resultados comprovaram expectativas do mercado, de uma licitação mais movimentada para os empreendimentos com maior prazo de conclusão, devido à perspectiva de gradual recuperação da economia brasileira após a recessão enfrentada em 2015 e 2016.

Fonte: Luciano Costa | Reuters