Posts

2017-09-15-PHOTO-00001784

Usina solar entra em operação comercial em Assu

Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano

A Aneel publicou no Diário Oficial da União desta terça-feira (26) a autorização para operação comercial da usina solar Assu V. O despacho confirma do COD da usina, que tem 30 MW de capacidade instalada, ocupa uma área de 72 hectares no município de Assú (RN) e contou com investimento de R$ 220 milhões. Certificada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano.

“Com essa usina ampliamos nossa experiência no setor fotovoltaico e consolidamos nossa entrada definitiva na geração solar centralizada”, diz o diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini. O empreendimento, segundo o executivo, reforça a estratégia global da ENGIE de investir na geração de energia renovável. “Ao lado da geração fotovoltaica distribuída, este é um mercado para o qual visualizamos um crescimento expressivo nos próximos anos”, revela Sattamini. O diretor de Geração da ENGIE, José Laydner, conta que estudos mostraram a forte incidência de raios solares e poucas chuvas durante o ano na região do Vale do Açu, onde está o projeto. “Essa é a condição ideal para a geração fotovoltaica”, sinaliza.

Até chegar aqui foram dois anos de estudos e negociações desde a vitória no 8° Leilão para Contratação de Energia de Reserva e 257 dias de obras desde o início da construção A equipe de implantação viveu boas experiências e muitos desafios. O principal deles foi a mudança do ponto de conexão do projeto ao Sistema Interligado Nacional, que estava programado para ocorrer na Subestação Açu 3. Com a interrupção da obra por parte do investidor responsável, a conexão passou para a Subestação Açu 2, já em operação. “Todo o processo regulatório, arqueológico e ambiental da linha de transmissão foi reiniciado, o que demandou esforços de diferentes áreas da empresa. No final recuperamos o cronograma e a conclusão das obras não foi afetada”, ressalta Laydner. “A construção seguiu o cronograma previsto, sem atrasos. Começamos em abril de 2017 e concluímos em 13 de dezembro, usando dez dias para testes”.

Programas socioambientais e inserção comunitária

Durante esse tempo, o poder público e a população foram receptivos ao empreendimento. Para a comunidade da região de Açu, a usina representa não apenas um aporte financeiro significativo. “Geramos empregos, ajudamos a mitigar os impactos da crise, desenvolvemos e proporcionamos projetos sociais e ambientais”, diz Giuliano Pasquali, gerente da ENGIE para esse projeto.

Entre as ações socioambientais desenvolvidas estão o de Reflorestamento com plantio de 1,3 mil mudas; implantação do Sistema de Irrigação com monitoramento diário e o programa de Monitoramento da Fauna. Outro destaque é o programa de Educação Ambiental, que incluiu oficinas de capacitação. “Essas oficinas foram escolhidas pelos moradores e contaram com ótima frequência e interesse”, ressalta Pasquali. Em setembro, por exemplo, foram três semanas consecutivas. O tema Agroecologia nas Comunidades ensinou formas de atividades mais ecológicas para melhorar a convivência dos moradores com o meio ambiente. “Desenvolvemos três módulos com temáticas diferentes: Quintais e Produção Agroecológica; Gestão de Resíduos Sólidos Orgânicos e Gestão da Água”.

Fonte: Setor Energético

Foto: Uol

Aneel libera funcionamento de 10.500Kw para eólica Santa Mônica, no RN

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) liberou nesta segunda-feira (22) a entrada em operação comercial de mais cinco turbinas do parque eólico Santa Mônica, instalado no município de Touros, Rio Grande do Norte. São 10.500 kW agregados ao parque e que agora alcança a potência instalada de 29.400 kW.

No início de dezembro a CPFL Renováveis, empresa detentora da usina eólica, comemorou a marca de 2 GW de capacidade instalada no Brasil, com a entrada total em operação dos complexos eólicos Campo dos Ventos e São Benedito, também instalados no RN. O estado continua como líder isolado em potência instalada e geração de energia elétrica através dos ventos.

Fonte: SEERN Press

13-0

Aneel libera 4,2MW em eólicas no RN

Desde o dia 02 de novembro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel),  liberou a entrada em operação comercial  de dois aerogeradores  pertencentes ao parque eólico Ventos de Santo Dimas. O empreendimento, localizado no município de São Miguel do Gostoso, é de propriedade da CPFL Renováveis. Cada turbina possui uma potência instalada de 2,1 MW, agregando 4,2 MW ao parque, que agora passa a ter uma potência instalada de 29,4 MW.

Fonte: SEERN Press

Foto: proxeng.com

Parques eólicos entram em operação comercial no Rio Grande do Norte

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) liberou para operação comercial no dia 01 de setembro de nove aerogeradores do parque eólico Vila Pará I, instalado no município de Serra do Mel e de propriedade da Voltalia.

Nesta terça-feira (02/09),  a Aneel também liberou quatro aerogeradores de 2,1 MW do parque eólico São Domingos, somando 8,4 MW às três turbinas eólicas que já em operação na usina, instalado no município de São Miguel do Gostoso, Região do Mato Grande. O empreendimento é de propriedade da CPFL Renováveis.

Agora, o Rio Grande do Norte encontra-se a cerca de 11 MW de quebrar a barreira dos 3 GW de potência instalada.

Fonte: SEERN Press

Bons Ventos

Eólicas entram em operação comercial no Rio Grande do Norte

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) liberou a entrada em operação comercial de três turbinas de 2.100kW do parque eólico São Domingos, instalado no município de São Miguel do Gostoso. O parque é composto por 12 aerogeradores e a liberação para funcionamento somará 6.300 kW em potência instalada.

Também entrou em operação comercial um aerogerador de 2.100kW do parque  Ventos de São Benedito, instalado no mesmo município. Os dois empreendimentos são de propriedade da CPFL Renováveis.

Com estes novos aerogeradores em funcionamento, o Rio Grande do Norte fica cerca de 45MW para a quebra dos 3GW em potência eólica instalada.

Fonte: CERNE/SEERN Press

Foto: Ambiente Energia

Aneel libera início de operação comercial em eólica do Rio Grande do Norte

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) liberou nesta segunda-feira (18) o início da operação comercial na EOL Campo dos Ventos I, localizada no município de João Câmara, no Rio Grande do Norte. O benefício foi para UG1, UG2 e UG4, com 2,1 MW cada, totalizando 6,3 MW de capacidade instalada.

Outro parque eólico potiguar também entrou em funcionamento desde o dia 14 de julho, a EOL Macambira I, em Santana do Matos, foi beneficiada com a entrada em operação das unidades UG1 a UG9, de 2 MW cada, totalizando 18 MW.

Fonte: Da Agência CanalEnergia, Operação e Manutenção

Foto: www.financista.com.br

Aneel libera 25MW em eólicas no RN

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) liberou nesta quinta-feira (23), a entrada em operação comercial de 12 aerogeradores do parque eólico Campo dos Ventos I, somando uma potência instalada de 25,2 MW. O empreendimento, de propriedade da CPFL Renováveis,  está instalado no município de João Câmara, no Rio grande do Norte.

Fonte: SEERN

Foto: GE

Renova obtém liberação para operação comercial de 5 parques eólicos

A Renova Energia informou que foi publicado nesta terça-feira despacho da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), datado de 31 de dezembro, que determinou a liberação, a partir de 1º de janeiro, da operação comercial de cinco parques eólicos da companhia.

Com a entrada em operação destes parques, que somam 100,8 megawatts (MW) de capacidade instalada, fica concluída o começo de operação comercial dos nove parques eólicos da Renova que comercializaram energia em leilão de energia nova de 2011.

As demais unidades iniciaram operação em março de 2015.

Fonte: Valor Econômico | Thais Carrança