Posts

2017-09-15-PHOTO-00001784

Usina solar entra em operação comercial em Assu

Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano

A Aneel publicou no Diário Oficial da União desta terça-feira (26) a autorização para operação comercial da usina solar Assu V. O despacho confirma do COD da usina, que tem 30 MW de capacidade instalada, ocupa uma área de 72 hectares no município de Assú (RN) e contou com investimento de R$ 220 milhões. Certificada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano.

“Com essa usina ampliamos nossa experiência no setor fotovoltaico e consolidamos nossa entrada definitiva na geração solar centralizada”, diz o diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini. O empreendimento, segundo o executivo, reforça a estratégia global da ENGIE de investir na geração de energia renovável. “Ao lado da geração fotovoltaica distribuída, este é um mercado para o qual visualizamos um crescimento expressivo nos próximos anos”, revela Sattamini. O diretor de Geração da ENGIE, José Laydner, conta que estudos mostraram a forte incidência de raios solares e poucas chuvas durante o ano na região do Vale do Açu, onde está o projeto. “Essa é a condição ideal para a geração fotovoltaica”, sinaliza.

Até chegar aqui foram dois anos de estudos e negociações desde a vitória no 8° Leilão para Contratação de Energia de Reserva e 257 dias de obras desde o início da construção A equipe de implantação viveu boas experiências e muitos desafios. O principal deles foi a mudança do ponto de conexão do projeto ao Sistema Interligado Nacional, que estava programado para ocorrer na Subestação Açu 3. Com a interrupção da obra por parte do investidor responsável, a conexão passou para a Subestação Açu 2, já em operação. “Todo o processo regulatório, arqueológico e ambiental da linha de transmissão foi reiniciado, o que demandou esforços de diferentes áreas da empresa. No final recuperamos o cronograma e a conclusão das obras não foi afetada”, ressalta Laydner. “A construção seguiu o cronograma previsto, sem atrasos. Começamos em abril de 2017 e concluímos em 13 de dezembro, usando dez dias para testes”.

Programas socioambientais e inserção comunitária

Durante esse tempo, o poder público e a população foram receptivos ao empreendimento. Para a comunidade da região de Açu, a usina representa não apenas um aporte financeiro significativo. “Geramos empregos, ajudamos a mitigar os impactos da crise, desenvolvemos e proporcionamos projetos sociais e ambientais”, diz Giuliano Pasquali, gerente da ENGIE para esse projeto.

Entre as ações socioambientais desenvolvidas estão o de Reflorestamento com plantio de 1,3 mil mudas; implantação do Sistema de Irrigação com monitoramento diário e o programa de Monitoramento da Fauna. Outro destaque é o programa de Educação Ambiental, que incluiu oficinas de capacitação. “Essas oficinas foram escolhidas pelos moradores e contaram com ótima frequência e interesse”, ressalta Pasquali. Em setembro, por exemplo, foram três semanas consecutivas. O tema Agroecologia nas Comunidades ensinou formas de atividades mais ecológicas para melhorar a convivência dos moradores com o meio ambiente. “Desenvolvemos três módulos com temáticas diferentes: Quintais e Produção Agroecológica; Gestão de Resíduos Sólidos Orgânicos e Gestão da Água”.

Fonte: Setor Energético

Foto: divulgação

Brasil está construindo a maior usina de energia solar da América Latina

O projeto Ituverava, cujas obras começaram em dezembro de 2015, será instalado no Estado da Bahia e terá capacidade de 254 MW, com produção anual de energia estimada em 500 GWh. A previsão é que o parque solar entre em funcionamento em meados de 2017.

Esta será a maior usina de energia solar da América Latina, e ajudará a suprir à demanda constante de energia elétrica no país – que de acordo com estimativas vai aumentar a uma taxa média de 4% ao ano até 2020.

A Enerray do Brasil, empresa que pertence à Seci Energia do Grupo Industrial Maccaferri, através da Enerray Usinas Fotovoltaicas, foi a escolhida pela Enel Green Power para a construção da usina solar .

Fonte: CERNE Press com informações da Conexão Lusófona

Foto: THIWS GEOTECNOLOGIA

Campus central do IFRN começa a produzir energia solar

Em busca de fonte alternativa de energia e, consequentemente, preocupado com a sustentabilidade, o Campus Natal Central começou a produção de energia solar nesta segunda-feira, dia 18.  Os geradores fotovoltaicos, que totalizam 825 painéis solares, divididos em dois geradores – um com 480 e outro com 345, ocupam aproximadamente 1.290m² e estão instalados sobre o teto dos blocos das salas de aula.

Estima-se que serão gerados 26.200kWh mensalmente, suprindo cerca de 11% do consumo, o que representa uma economia de R$ 116,3 mil anual para o Campus, como também uma redução de 28 toneladas na  emissão de CO2/ano.

De acordo com Franclin Róbias, engenheiro eletricista do IFRN, inicialmente, a energia gerada atenderá os condicionadores de ar dos blocos de aulas e o Data Center do Instituto. A energia restante será distribuída para as demais cargas elétricas ou irá para a rede de distribuição da Companhia de Energética do Rio Grande do Norte (COSERN). Nesse último caso, o medidor da subestação  registrará a energia fornecida para a rede externa e será descontada na fatura do Campus, gerando mais uma economia.

“O projeto, além der gerar economia e ser exemplo do uso de energia limpa, vai proporcionar aos alunos e professores o acompanhamento do seu funcionamento – inicialmente os do curso de Eletrotécnica, futuramente de Engenharia de Energia e de Informática”, observa o diretor de Administração do campus, Francisco Antonio de Pontes, que finaliza: “Nossa meta é ampliar a produção e nos próximos quatro anos chegar a 50% da energia consumida no campus”.

Outros 6 campi (Canguaretama, São Paulo do Potengi, Ceará-Mirim, Currais Novos, Parelhas e São Gonçalo) e a Reitoria do IFRN já possuem usina de energia solar. Os planos são que, em breve, os campi Pau dos Ferros, Caicó, João Câmara e Lajes também passem a contar com suas usinas. O Instituto foi a primeira instituição pública brasileira a usar micro e minigeradores conectados à rede de distribuição de energia elétrica, conforme Resolução Normativa 482/ANEEL.

Fonte: IFRN